O egoísta no condomínio

Publicado em 08/10/2020 - Editado em 09/10/2020 | Comentarios > ver comentários

Definição: Egoísmo é o amor exagerado aos próprios interesses a despeito dos de outrem. Exclusivismo que leva uma pessoa a se tornar como referência a tudo. É o hábito do Ego de uma pessoa colocar seus próprios interesses, opiniões, desejos, necessidades em primeiro lugar, em detrimento (ou não) do ambiente e das demais pessoas com quem se relaciona. É o reverso da pessoa altruísta.

Uma pessoa egoísta não dá a mínima para os outros, suas opiniões, seus direitos e necessidades. Procura a admiração dos outros, ama receber elogios e não demonstra generosidade na hora de compartilhar reconhecimento em relação aos demais.

Na gestão de condomínios, nosso conhecimento abrange inúmeras áreas. Todas elas voltadas para atender as expectativas de pessoas que é na essência nossa matéria prima.

E nessa tarefa diária o síndico lida com um grupo específico: os egoístas. Aqueles que desejam privilégios escondendo suas fraquezas atrás de um perfil de confiança e segurança, insensíveis ao pensamento dos outros condôminos e moradores.

Suas atitudes aparentes de preocupação com os outros e os assuntos do condomínio são na realidade fachadas para obter reconhecimento, admiração, e aplausos. A principal característica que o destaca dos demais é o fato de toda iniciativa começar nele e encerrar nele.

Não temos a pretensão de discutir a origem ou as razões que movem as pessoas egoístas. Mas o comportamento e os efeitos que provocam na comunidade condominial.

O síndico e todos aqueles que atuam na administração devem dedicar atenção aos egoístas. Não pelo grau de importância pelo qual desejam ser reconhecidos e tratados. Mas sim, pelo estrago que podem causar.

Os egoístas são pessoas com campo de percepção focada em si mesmas com extrema dificuldade de ter empatia; são na realidade reativas e impacientes, centralizando suas mentes nas oportunidades para atacar o síndico e o corpo diretivo, muitas vezes querendo usar a administradora e serviços terceirizados como trampolim para alcançar seus objetivos.

O egoísta guarda correlação com o personagem da mitologia grega Narciso. Que representa a vaidade na sua essência. São pessoas centradas em si mesmas com potencial perigoso. Não sabem amar e provocam em suas relações muita dor.

Cada administradora possui sua missão no mercado. Nós procuramos apresentar dentro da nossa, resultados para cada ação, identificando e compartilhando com os síndicos e suas equipes as principais características de um grupo específico de condôminos e moradores que podem negativamente contribuir para dificultar ao extremo a gestão. Os egoístas na sua maioria apresentam certos comportamentos:

- Querem privilégios quebrando a harmonia e a isonomia indispensável;

- Cobrar é sua marca, críticos ferrenhos que nada contribuem mesmo sendo chamados;

- Usam e abusam do direito de serem proprietários esquecendo-se do comportamento antissocial;

- Possuem uma crença infundada de que são intocáveis.

Mas a pergunta que cabe é: Pessoas egoístas podem mudar?

Para responder é necessário avaliar caso a caso. Porque as pessoas trazem as características, mas demonstram reações distintas. Não afastando a possibilidade de cada um refletir sobre seu comportamento demonstrando um senso crítico não usual.

Para facilitar ao síndico e aos membros da sua equipe, vamos exemplificar para facilitar o reconhecimento dos egoístas.

Tornou-se um dos fatores que valorizam os condomínios, a presença nas áreas comuns de espaços destinados ao lazer. Multiplicam-se as salas de ginásticas bem equipadas, quadras poliesportivas, quadras de tênis, piscinas cobertas, ou não, algumas em formato de raias próprias para treinamento, hidroginástica ou até para tratamento fisioterápico.

Infelizmente falta ao adquirente de uma unidade com essa estrutura compreender que o conforto pertence a outros condôminos, por isso a expressão: condomínio é o domínio de áreas ou espaços comuns que cabe a cada um de acordo com a sua fração ideal de direito.

Sendo condômino, não posso prejudicar o direito de outros, querendo usar espaços comuns, impondo a presença e ocupando esses espaços com exclusividade com o emprego de personal trainer ou qualquer outro profissional, criando embaraços, constrangimentos ou desavenças.

O mesmo ocorre quando essas pessoas que querem reservar salão de festas ou espaços gourmet para eventos particulares em datas consideradas feriados especiais como Natal, Réveillon ou Carnaval, principalmente se a convenção assim não permite.

Essas situações evidenciam a presença do comportamento egoísta nos condomínios, exigindo muito preparo do síndico e os membros do corpo diretivo, apoiado em uma administradora de condomínios.

Identificou alguém com essas características em seu condomínio, ou mesmo se sente uma pessoa egoísta, procure traçar um plano de ação se deseja começar a mudar de atitude:

- Reconheça e aceite seu egoísmo;

- Altere sua perspectiva;

- Desmonte a ideia equivocada que você é o centro do universo;

- Não seja reativo e sim proativo;

- Aprenda a ouvir que é diferente de escutar;

- Pare de querer somente receber e aprenda a doar;

- Não desista, mantenha o esforço na mudança.

O egoísmo causa a ignorância. Ignorância de ignorar e não ver os outros. É a origem de todos os vícios e incompatível com a vida em um condomínio.

Comentários


O que outros visitantes estão vendo agora

O que outros visitantes estão vendo agora

Menu