Condomínio Solidário

Publicado em 24/07/2018 - Editado em 07/03/2019 | Comentarios > ver comentários

O projeto Vizinhança Solidária uma experiência de sucesso que surgiu em 2009 no Itaim Bibi zona oeste de São Paulo por iniciativa de síndicos, segue o modelo original da Inglaterra tendo como característica fundamental a comunicação entre moradores de determinado bairro, visando o aprimoramento do policiamento preventivo na busca da diminuição dos índices de criminalidade.

Desde então, outras regiões da cidade adotaram e implantaram a ideia que só têm demonstrado sucesso na queda expressiva de roubos, furtos e outras ocorrências, levando o Deputado Coronel Camilo – PSD, a criar o Projeto de Lei número 904 de 2017, instituindo o Programa Vizinhança Solidária, tornando-se a Lei número 16.771, promulgada em 18 de Junho de 2018.

O desafio dos síndicos, conselheiros, condôminos e de todos aqueles envolvidos no dia a dia da administração de condomínios é efetivamente trabalhar a transformação dos nossos hábitos aprendendo a observar atentamente tudo que ocorre ao nosso redor. Ter interesse em manter e relacionar-se com nossos vizinhos, participando de grupos e redes sociais que aproximem as pessoas principalmente nos momentos de emergência.

Valorize o trabalho dos porteiros procurando conhecê-los, chamando-os pelo nome, ouvindo suas necessidades e sempre oferecendo treinamentos de técnicas e procedimentos. Isso é investimento e não despesa.

É importante identificar e comunicar à Polícia Militar ou órgãos competentes veículos abandonados ou muito tempo estacionados nas imediações do condomínio; rua com péssima iluminação, bloqueadas ou sem sinalização; terrenos ou prédios próximos abandonados; vandalismos, pichações e consumo de drogas.

Aproxime o vigia de rua ao zelador, porteiros e demais profissionais do seu condomínio, valorizando seu trabalho para obter sua colaboração no fornecimento de informações relevantes sobre o que ocorre no bairro.

Faça campanhas orientando os condôminos a conversarem com seus empregados para não fornecerem informações pessoais ou sobre a rotina do apartamento e do condomínio, principalmente envolvendo os procedimentos de acesso. Cuidado com dados publicados em redes sociais.

Quando viajar ou ausentar-se por um tempo prolongado, selecione vizinhos da sua confiança para identificar movimentações incomuns. Informe-os sobre a data de viagem e provável retorno deixando um telefone, celular, inclusive de familiares e amigos para um contato em caso de necessidade urgente.

Inclua os filhos nesse projeto educando-os para saberem agir em situações de emergência. Saber localizar ou decorar telefones de familiares e vizinhos, incluindo os telefones do Copom – Polícia Militar (190) – e do Corpo de Bombeiros (193).

Nós, da RS Condomínios, procuramos orientar nossos clientes na administração diária ou como síndico profissional a conhecer os Policiais Militares que atuam no bairro, conversando com os mesmos, informando toda ocorrência de roubos e furtos, contribuindo na identificação de padrões de conduta. Saber desenvolver a capacidade de observação atenta na identificação de questões físicas dos criminosos e rotas de fuga. Características marcantes como tatuagens, cicatrizes, roupas, modo e tom de voz, sotaques, gestos e comportamento.

Para concluir, orientamos os síndicos, conselheiros e condôminos que participem. Fixe uma placa feita pela Polícia Militar indicando que seu condomínio faz parte da Vizinhança Solidária. Leve o assunto para as assembleias, compareça às reuniões do Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG) do seu bairro. Momento único para troca de informações com a comunidade, Polícia Militar e órgãos públicos, discutindo as ocorrências e melhorias.
 

Comentários


O que outros visitantes estão vendo agora

O que outros visitantes estão vendo agora

Menu