Dia do Vizinho (20/ago)

Publicado em 20/08/2020 - Editado em 20/08/2020 | Comentarios > ver comentários

“Vizinho é mais que parente, pois é o primeiro a saber das coisas que acontecem na vida da gente” (Cora Coralina)

 

O Dia do Vizinho é comemorado no Brasil em duas datas: 20 de agosto e 23 de dezembro. Para a data de 23 de dezembro não se sabe de uma justificativa para a escolha, entretanto, o dia 20 de agosto, o que se sabe é que foi criado há mais de 30 anos, em comemoração ao aniversário da poetisa Ana Lins de Guimarães Peixoto Bretas, a Cora Coralina, na cidade de Goiás (GO).

A ideia surgiu quando moradores da rua de Cora quiseram dar uma festa de aniversário, que ela recusou, e disse preferir uma comemoração entre vizinhos. É o que conta o cineasta Lázaro Ribeiro de Lima.

“Vizinho é mais que parente, pois é o primeiro a saber das coisas que acontecem na vida da gente”, era o pensamento da poetisa, que começou a escrever aos 14 anos e fez dezenas de livros. Destacam-se “Estórias da Casa Velha da Ponte”, “Meu Livro de Cordel”, e o livro infantil “Meninos Verdes”. A autora morreu em Goiás, em 10 de abril de 1985, aos 96 anos.

Cora Coralina nasceu na Cidade de Goiás e foi considerada uma das principais escritoras brasileiras. Teve o primeiro livro publicado em 1965, quando já tinha quase 76 anos. Morreu aos 95.

“Vizinhos e amigos, duas palavras que se entrelaçam e formam unidades criadas pelos acasos sociais para fazerem a vida melhor”, Cora Coralina.

 

Coisas do reino da minha cidade

Olho e vejo por cima dos telhados patinados pelo tempo
copadas mangueiras de quintais vizinhos.
altaneiras, enfolhadas, encharcados seus caules,
troncos e raízes de longas chuvas de verão passado.
paramentadas em verde, celebram a liturgia da próxima florada.
antecipam a primavera no revestimento de brotação bronzeada,
onde esvoaçam borboletas amarelas.
as mangueiras estão convidando todos os turistas,
para a festa das suas frutas maduras, nos reinos da minha cidade.

Minha mesa está florida e perfumada
de entrada a minha casa, um aroma suave
incensando a casa.
um bule de asa quebrada, um vidro de boca larga,
um vaso esguio servem ao conjunto floral.
rosas brancas a lembrar grinalda das meninas
de branco que acompanhavam antigas procissões,
de onde vieram carregando seus perfumes?…
tão fácil. Por cima do muro da vizinha
a roseira, trepadeira, se debruça
numa oferta floral de boa vizinhança.

canto e descanto meus vizinhos.
contei sempre com eles e nunca me faltaram.
beleza simbólica maior: o Dia do Vizinho.

O vizinho é a luz da rua. Quando o vizinho viaja e fecha a casa,
é como se apagasse a luz da rua…
indagamos sempre: quando volta?
e quando o vizinho volta, abre portas e janelas
e é como se acendessem todas as luzes da rua
e nós todos nos sentimos em segurança
estas coisas nos reinos de Goiás.

fonte original: https://falandodecondominio.com.br/porque-20-de-agosto-e-o-dia-do-vizinho/

 


 

A melhor atitude é usar a diplomacia: uma conversa tranquila e ponderada com o vizinho muitas vezes gera uma boa amizade.

 

 

A palavra “vizinho” vem do latim vicinu, que significa “próximo, que mora perto, vicinal, da aldeia”.

As pessoas que residem perto de nós são chamadas de vizinhos. O ser humano sempre viveu em comunidades; por isso, sempre teve vizinhos, que às vezes são os melhores amigos e confidentes. Nas pequenas cidades, a ligação com os vizinhos é mais forte do que com os próprios parentes. Assim, é normal os vizinhos serem compadres e ou se casarem.

Nas grandes metrópoles como São Paulo, as pessoas são anônimas e, no cotidiano, têm receio e mesmo medo de estreitar relações. Ao contrário das que moram no interior, chegam a passar meses ou anos sem estabelecer contato com os vizinhos. Alguns nem se conhecem. Nos edifícios, os condôminos se isolam em seus apartamentos. Parece que ninguém quer perturbar o vizinho, violar sua intimidade, evitando uma aproximação social saudável.

Por outro lado, nada é mais irritante do que um vizinho barulhento, inconveniente e “invasor”. Isso gera muitas discussões entre os moradores da mesma rua e dos condomínios. A melhor atitude é usar a diplomacia: uma conversa tranquila e ponderada com o vizinho muitas vezes gera uma boa amizade, porque a política da boa vizinhança sempre ganha. Um relacionamento amigável com o vizinho é importante e sensato, visto que, em uma emergência, é com ele que se pode contar. É preciso, portanto, que haja respeito mútuo, para que exista harmonia entre os vizinhos, observando-se os direitos e as obrigações.

Retirado do livro: “Datas comemorativas cívicas e históricas”, Paulinas Editora.

fonte original: https://comeceodiafeliz.com.br/datas/dia-do-vizinho

Comentários


O que outros visitantes estão vendo agora

O que outros visitantes estão vendo agora

Menu